Colômbia: estudante morto e vários feridos em protestos | Juventude Comunista Avançando

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Colômbia: estudante morto e vários feridos em protestos


Bogotá, 12 out (Prensa Latina) Um estudante morto, vários feridos e fortes confrontos registraram-se hoje durante os multitudinários protestos estudantis em várias cidades de Colômbia, em rejeição a uma reforma à Educação que promove o Governo.

  Em Cali, capital do Departamento de Vale do Cauca, um artefato explosivo de baixo poder ao que parece ativado acidentalmente - ocasionou a morte ao jovem Jean FaridChang e feridas a outros.

Temos uma morte violenta em via pública, uma pessoa que se estava a mobilizar, uma pessoa que tem morrido por um artefato explosivo", expressou à imprensa o prefeito dessa cidade, Jorge Iván Ospina, em uma pequena declaração à imprensa.

Por outra parte, na capital colombiana conquanto as manifestações decorreram com normalidade durante a jornada da manhã, na tarde registraram-se fortes incidentes violentos no centro da cidade.

Ali a polícia tratou de dispersar a marcha com gases lacrimogêneos, ao mesmo tempo em que escutaram-se vários estouros pela ativação das denominadas ou papas bomba ou (explosivos artesanais), segundo pôde constatar Prensa Latina.

No meio da revolta sobre a capital caiu uma forte chuva, o qual baixo relativamente as tensões, enquanto quem estavam concentrados na central Praça Bolívar ali se mantiveram até o final da jornada.

Em tanto, as universidades de Antioquia e Nacional, seccional Medellín, suspenderam classes e fecharam seu campus, até manhã.

Alguns reportes referem que a primeira hora tudo decorreu com normalidade ali, mas avançado no dia se registraram alguns incidentes entre a polícia e os estudantes com o consequente intercâmbio de gases, pedras e bomba.

Dessa maneira milhares de estudantes com disfarces, cartazes, graffitis pitos, cornetas, tambores e cânticos manifestaram-se nesta quarta-feira contra a reforma à Educação que promove o Governo.

Para os estudantes dita iniciativa está dirigida a privatizar o ensino público para reduzir a uma mercadoria.

A sua vez, consideram que o projeto contém artigos que atentam contra o financiamento das instituições, afeta sua autonomia, põe em risco a qualidade do ensino.

Os estudantes procuram com este tipo de mobilizações que o Governo retire a atual reforma e se comprometa com a construção de uma nova iniciativa legal que contemple maiores oportunidades para os milhares de jovens sem acesso à educação.

No entanto, o Executivo faz questão de que não retirará o rascunho da proposta, apresentado já no Congresso da República.