Nota da JCA em solidariedade aos estudantes da Unifesp em luta | Juventude Comunista Avançando

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Nota da JCA em solidariedade aos estudantes da Unifesp em luta


Que a universidade pública brasileira esteja passando por uma “reestruturação” (cuja principal faceta é a precarização do ensino, especialmente naquelas áreas em que o capital não encontra serventia direta aos seus interesses) é algo que temos alertado seguidamente há alguns anos. Este processo é mascarado, quer passar sem ser percebido ou até mesmo fantasiado de “democratização do acesso”, pura falácia. Os problemas se evidenciam nas universidades de forma desigual, mas acabam deixando claro que se trata de uma estratégia global e concreta - e em operação, na sua forma sempre truculenta - do Estado autocrático brasileiro: transformar até o limite a universidade pública em instrumento do capital.

Há mais ou menos 70 dias que os estudantes dos novos campi da Unifesp  - criados pelo REUNI, em especial do campus de Guarulhos (EFLCH) - têm investido seus esforços em romper este silêncio. Os problemas de infraestrutura dos campi novos da Unifesp são gritantes. Em Guarulhos, a biblioteca não tem espaço para guardar todos os livros; faltam salas de aula, os estudantes precisam utilizar as salas do CEU localizado no bairro; o prédio permanente que foi prometido desde a inauguração até hoje não foi construído; o Restaurante Universitário só existe porque foi conquistado em uma greve. No campus da Baixada Santista teve sala de aula que foi interditada por infiltração de água e no de Osasco, o mais novo, cujo espaço físico é a utilização da estrutura de uma faculdade privada que foi fechada, faltam praticamente todos os serviços essenciais para o funcionamento de uma universidade.

Hoje cinco dos seis campi da Unifesp estão em greve estudantil. No dia 06 de junho a polícia invadiu o campus de Guarulhos e prendeu 43 estudantes, que só foram soltos hoje, dia 07, pela manhã. A JCA se posiciona em solidariedade à luta dos estudantes da Unifesp, em especial aos estudantes presos injustamente. Repudiamos qualquer tipo de criminalização dos movimentos sociais.

Abaixo a precarização do ensino público!

Viva a luta dos estudantes!
Todo apoio à greve dos estudantes da Unifesp!
Por uma universidade crítica e criadora, construída pelo povo e para o povo!