Banksy desafia proibição das autoridades e grafita as ruas de Londres durante a Olimpíada | Juventude Comunista Avançando

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Banksy desafia proibição das autoridades e grafita as ruas de Londres durante a Olimpíada

por Anna Carolina Lementy - 25 de julho de 2012 

Apesar da proibição, Banksy grafitou. No alvo, as Olimpíadas e a repressão/ Crédito: Banksy
O ufanismo que toma conta dos britânicos agora, às vésperas dos Jogos Olímpicos de 2012, não contagia Banksy, o artista de rua mais conhecido do mundo (embora não se saiba se seu nome é realmente Banksy e seu rosto jamais tenha sido visto). Tudo começou há algumas semanas, quando as autoridades londrinas mandaram apagar os graffitis dos muros e edifícios da cidade e proibiram novas manifestações

A intenção é "limpar" Londres para receber o maior evento esportivo do mundo, ameaçando a produção artística de rua, um dos traços culturais mais importantes da metrópole. As obras de Banksy, conhecidas internacionalmente, também ficaram sob ameaça, enquanto alguns artistas chegaram a ser presos e proibidos de transitar pela área do evento, segundo o jornal "The Guardian".

Crédito: Banksy
Apesar da repressão, Banksy, um notório contestador, não ficou quieto. Três fotos publicadas em seu site na última segunda-feira (23) indicam que os muros da cidade acabam de ser "maculados" pelo stêncil mordaz do artista, e os Jogos Olímpicos estão no foco da crítica. 

As fotos mostram um atleta atirando um míssil em vez de um dardo, outro usando uma vara para tentar escapar do que parece ser uma prisão e uma criança costurando bandeiras do Reino Unido. São imagens simbólicas que remetem à violência, ao cerceamento da liberdade e à exploração infantil. É o lado b para o qual ninguém queria olhar agora.

À esq., a terceira arte de Banksy sobre as Olimpíadas; à dir., uma de suas obras mais famosas/ Crédito: Banksy