Discurso KKE em evento político organizado pelo PCPE sobre a União Europeia | Juventude Comunista Avançando

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Discurso KKE em evento político organizado pelo PCPE sobre a União Europeia

Caros camaradas:

Agradecemos ao Partido Comunista dos Povos de Espanha e aos nossos camaradas dos outros partidos. Apreciamos muito a organização desta iniciativa e tentaremos contribuir para a discussão acerca da UE com as posições e a experiência do KKE. 

O KKE argumenta que a União Europeia é uma aliança imperialista interestatal que tem como critério os interesses dos monopólios europeus, o grande capital europeu, o aumento da sua lucratividade e o reforço da sua competitividade, o aumento do nível de exploração da classe trabalhadora, a abolição de direitos trabalhistas, a deterioração das vidas dos povos. 

É uma união imperialista interestatal que facilita a livre atividade do capital ao nível nacional, regional e internacional. Para a expansão das atividades de negócios dos grandes consórcios econômicos, para a aquisição de novos mercados e esferas de influência a fim de saquear os recursos naturais. 

Sejam quais for os mecanismos de manipulação, eles não podem esconder que a União Europeia neste momento tem 30 milhões de desempregado e um número semelhante de subempregados, mina o futuro da juventude, condena mais de 127 milhões de pessoas à pobreza extrema. 

A União Europeia tomou parte nas guerras imperialistas na Jugoslávia, Afeganistão, Iraque, Líbia junto com os EUA e a NATO, e agora está a desempenhar um papel de liderança na intervenção e nas ameaças contra a Síria e o Irão, utilizando pretextos miseráveis, quando a verdade é que eles procuram adquirir novos mercados, para garantir fontes de gás natural e petróleo

Isto é a União Europeia, a união do anticomunismo que está a tentar enegrecer a contribuição histórica dos comunistas na luta pelo progresso social, que difama a contribuição decisiva da União Soviética para a derrota do fascismo na II Guerra Mundial e está a tentar anti-historicamente igualar comunismo, o oponente real do capital e do capitalismo, a fascismo, o qual é a criatura do sistema e servidor do capital. 

Os últimos 20 anos são muito instrutivos para os povos. 

Primeiro: no princípio da década de 1990 as bases para a promoção do livre movimento de capitais, mercadorias, serviços e trabalho foram lançadas, a bem conhecida reestruturação capitalista que abole trabalho fundamental, direitos de segurança social e impõe bárbaras medidas antitrabalhadores. A estratégia de Maastricht, "Tratado de Lisboa" e a "EU-2020" serve de um modo planeado o aumento da competitividade e da lucratividade dos consórcios econômicos monopolistas com o objetivo de satisfazer as necessidades atuais do capital, o qual nas condições da crise capitalista escala a ofensiva a fim de promover a redução do preço da força de trabalho, a intensidade do nível de exploração da classe trabalhadora. 

Segundo: um objetivo básico da Política Agrícola Comum (PAC) da UE é a concentração da terra e da produção nas mãos de poucos, de modo a que as relações capitalistas na produção agrícola sejam expandidas e fortalecidas, de modo a que sejam formadas grandes culturas capitalistas com um alto nível de competitividade. Esta política demonstrou-se ser desastrosa para pequenos e também para muitos médios agricultores. Culturas tradicionais foram reduzidas, o gado sofreu, a Grécia foi engolfada por produtos agrícolas importados, o déficit comercial aumentou. 

Terceiro: através da chamada praça da "Liberdade, Segurança, Justiça" o edifício da UE, o poder político dos monopólios, o sistema capitalista está a ser gradualmente reforçado. 

Repressão e autoritarismo e as lutas populares da classe trabalhadora estão a ser incriminadas e criminalizadas, medidas duras estão a ser tomadas contra os imigrantes, todo um mecanismo para a vigilância e perseguição dos trabalhadores está a ser criado. 

Quarto: a "Política de segurança e defesa comum" está a ser utilizada como uma ferramenta da UE para a intervenção político-militar em todo o mundo, para controlar e explorar novos mercados para os monopólios, para adquirir novas posições na competição interimperialista. 

Quinto: a União Econômica e Monetária (UEM) , a qual hoje inclui 17 estados e uma divisa comum, o Euro, deu ímpeto à integração capitalista, mas aguçou contradições interimperialistas. As necessidades do sistema de estabilidade monetária foram e estão a ser utilizadas para a imposição de duras medidas antipopulares. Na realidade, apesar dos passos que têm sido dados rumo à integração capitalista, a União Europeia, como uma união de estado com diferentes níveis de desenvolvimento, enfrenta graves problemas devido à desigualdade capitalista e isto manifestou-se intensamente durante a crise capitalista. Os próprios burgueses e os apologistas do capitalismo e da UE estão preocupados acerca do futuro da Eurozona, do rumo das contradições interimperialistas e da competição e com o fortalecimento de tendências centrífugas. 

As leis do capitalismo são implacáveis. O aguçamento da contradição básica entre o caráter social da produção e a apropriação capitalista dos seus resultados levou à crise de superacumulação de capital e não a uma crise de dívida ou crise do neoliberalismo como afirmam os sociais democratas e partidos oportunistas. 

Hoje, quatro anos após os estalar da crise, o problema retornou à Eurozona, a qual sofreu uma nova recessão e uma nova redução da sua produção e economia em 2012. 

Nestas condições, o capital precisa de maior lucratividade. 

A chamada "Governação econômica europeia" significa a estrutura das medidas econômicas e fiscais antipovo, que além disso constitui a supervisão dos estados membros pela equipe da UE e a cedência consciente de direitos soberanos pelas classes burguesas e seus representantes. 

O "Mecanismo Europeu de Estabilidade" (MEE) que foi criado para tratar ocorrências de bancarrota controlada, como no caso da Grécia, opera de acordo com as mesmas linhas. Enquanto isso a discussão e a confrontação no auge acerca das duas importantes opções antipopulares: Primeiro, a “Multi-annual Financial Framework 2014-2020" em que graves contradições interimperialistas estão a manifestar-se entre a Alemanha e a França e entre a Alemanha e a Grã-Bretanha. E em segundo lugar, quanto à proposta recente da Comissão para o "Aprofundamento da União Econômica e Monetária" para a proteção da Eurozona. 

Em conclusão, podemos dizer que a agressividade da UE não se limita a uma ou outra política. O problema básico é que esta união capitalista foi criada para servir as necessidades do grande capital e a estratégia da aliança predatória está a ser formada e atualizada com base neste objetivo. Assim, as políticas antipovo adequadas estão a ser implementadas. Por esta razão, respondemos aos partidos burgueses e às forças oportunistas decisivamente e esclarecendo o povo que a UE é uma união interestatal do capital que se tornará continuamente mais reacionária. 

Sublinhamos isto, denunciando o papel do Partido de Esquerda Europeu (PEE) o qual emergiu das entranhas da UE, implementa a sua estratégia e faz a apologia deste união imperialista. 

O KKE está numa confrontação contínua com a UE, sua atividade está ligada a muitas mobilizações populares importantes e à classe trabalhadora as quais ao longo do tempo adquiriram continuamente objetivos de luta mais radicais. 

A par destes objetivos está a luta pelo desligamento da Grécia da UE (bem como da NATO) e pelo cancelamento unilateral da dívida, com o poder da classe trabalhadora e a socialização dos meios de produção concentrados. 

Isto é de importância particular, pois o desligamento das organizações imperialistas está conectado ao caminho do desenvolvimento socialista, levando em conta que só através deste caminho um país pode desenvolver-se baseado na satisfação das necessidades do povo e procurar criar relações mutuamente benéficas com outros estados e povos. 

O KKE argumenta que os problemas do povo não podem ser resolvidos e as necessidades populares não podem ser satisfeitas mesmo se um país se retirar da UE, da Eurozona e do Euro e continuar a seguir o caminho do desenvolvimento capitalista. O regime da exploração do homem pelo homem será perpetuado. A dominância do capital permanecerá. As pré-condições para o irromper da crise capitalista e a participação em guerras imperialistas serão mantidas. 

Por esta razão, consideramos necessário intensificar os esforços para fortalecer a luta antimonopolista, anticapitalista e reunir forças da classe trabalhadora e populares mais vastas, para constituir uma forte aliança do povo com a classe trabalhadora como sua força de vanguarda rumo ao derrube da barbárie capitalista e desligamento de uniões imperialistas.

por Giorgos Marinos
Membro da Comissão Política do CC do KKE