Ganhou a pátria, ganhou Nicolas Maduro | Juventude Comunista Avançando

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Ganhou a pátria, ganhou Nicolas Maduro

Caracas, 14 abr. 2013, Tribuna Popular TP. Em uma segunda eleição presidencial em pouco mais de seis meses, voltou a se impor na Venezuela a candidatura das forças populares e progressistas, agrupadas no Grande Polo Patriótico. Nesta oportunidade, a vitória corresponde a Nicolás Maduro Moros, que esteve como Vice-presidente da República até a morte do Presidente Chávez no último 5 de Março, e que foi escolhido pessoalmente por este como seu sucessor antes de submeter-se a cirurgia da qual não conseguiu se recuperar.

A diferença a favor de Maduro foi a menor obtida pela chamada aliança bolivariana desde o primeiro trinfo de Chávez em 1998: 51% contra 49%, algo mais que 230 mil votos, em uma eleição na qual participaram quase 79% dos 18,9 milhões de cidadão habilitados a exercer o voto. Os altos níveis de participação nestas eleições deixaram novamente em evidência diante do mundo o vigor da democracia venezuelana. Deve-se recordar que em Outubro, quando se reelegeu Chávez, a participação havia superado 80% do padrão eleitoral.

O anúncio oficial dos resultados eleitorais foi feito por Tibisay Lucena, reitora presidenta do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), uma vez que esse organismo recebeu e totalizou os escrutínios eletrônicos de 99% das mesas eleitorais de todo o país. O CNE esperou para emitir seu boletim até as 23:15 do horário local, acumulando resultados suficientes para confirmar a tendência irreversível a favor de um dos candidatos. Isto significa que ainda que nas próximas horas o CNE fará novos anúncios na medida e que receba e totalize os escrutínios das poucas mesas restantes, a vitória de Maduro já está assegurada.

Logo após o anúncio oficial, explodiu uma festa popular nas ruas do centro de Caracas e nos bairros populares, celebrando o triunfo do candidato do Grande Polo Patriótico, ampla aliança na qual fazem parte 14 partidos políticos e numerosas organizações sociais, culturais, sindicais e comunais. Os dois maiores partidos da aliança são o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o qual Chávez dirigia e ao qual pertence Maduro, e o Partido Comunista da Venezuela (PCV), primeiro partido que apoiou Chávez em 1998 e primeiro que anunciou formalmente a candidatura de Maduro em sua XII Conferência Nacional realizada no último 10 de Março, apenas 5 dias após a morte de Chávez.

Conclui-se assim uma jornada eleitoral muito exitosa que, mesmo com os incidentes isolados incitados por provocadores da direita opositora, se desenvolveu em paz. O agora Presidente eleito Nicolás Maduro Moros assumirá formalmente seu novo cargo diante da Assembleia Nacional na próxima sexta-feira, 19 de Abril, dia em que se comemora o início do movimento independentista venezuelano em 1810, com o qual ficará consumada a transição política nesse país, estremecido pelo trauma da morte do Presidente Chávez, o mais influente e querido dirigente político venezuelano das últimas décadas.

Fonte: http://www.tribuna-popular.org/index.php/travel/720-gano-la-patria-gano-nicolas-maduro

Tradução: Corrente Comunista Luiz Carlos Prestes (CCLCP) (cclcp.org)