XII Congresso da JCV: “A sabotagem burguesa é derrotada com medidas revolucionárias” | Juventude Comunista Avançando

terça-feira, 24 de setembro de 2013

XII Congresso da JCV: “A sabotagem burguesa é derrotada com medidas revolucionárias”


Propôs a urgente necessidade de ir transferindo o poder para as mãos dos trabalhadores e do povo organizado. “É o Poder Popular efetivo que se dirige a transformar a Base Econômica do país, tarefa essencial e que a juventude deve assumi-la com todas as suas forças. Não podemos aspirar grandes mudanças no qualitativo, se nos regemos sob a mesma e parasitária estrutura econômica do capitalismo”.

Caracas, 20 set. 2013, Tribuna Popular TP.- O secretário geral da Juventude Comunista da Venezuela (JCV), Héctor Alejo Rodríguez, em seu discurso de abertura do XII Congresso da organização juvenil comunista, realizado no dia de ontem, afirmou que o processo de mudanças que vive a Venezuela necessita aplicar medidas revolucionárias para derrotar a sabotagem econômica da burguesia, classe que ainda conserva parte importante do poder e que é capaz de desestabilizar o governo nacional.

“A fortaleza do regime capitalista é tão certa que a burguesia está demonstrando o enorme poder de que dispõe para boicotar o processo de mudanças. Ela dirige uma ofensiva sem quartel, desde o desaparecimento físico do Presidente Chávez, que não se atenuará, porque o que buscam é recuperar todo o poder que tiveram no passado”, enfatizou Rodríguez.

O XII Congresso Nacional da Juventude Comunista da Venezuela, cuja consigna central é “Com Rebeldia e Organização, Aprofundaremos a Revolução”, se realiza entre os dias 19 e 22 de setembro, em Caracas, e conta com a participação de cerca de 200 delegados eleitos pelos coletivos e pelos comitês locais e regionais da JCV.

Rodríguez caracterizou a direção do processo venezuelano como uma coalizão de forças que dirige um governo progressista no marco de uma sociedade capitalista.

“Na Venezuela rege o sistema capitalista. Não é correto dizer que estamos construindo o socialismo e temos que dizer a verdade à juventude e ao nosso povo. Com os problemas que vivemos próprios do sistema capitalista, que se traduzem em violência, insegurança, drogas, corrupção e burocratismo; relações de produção capitalista que mantém altos níveis de exploração; apropriação de boa parte da renda petroleira, por parte da burguesia parasitária, isso não é socialismo. Continua sendo um sistema capitalista no qual não temos futuro”, destacou o dirigente comunista.

Acrescenta que continuar falando que estamos construindo o socialismo, apenas fortalece a direita e enfraquece o caminho para o socialismo.

Para enfrentar a burguesia contrarrevolucionária e seu plano de golpe econômico que padece o povo venezuelano, é necessário tomar medidas revolucionárias para derrotá-los”.

MEDIDAS REVOLUCIONÁRIAS CONTRA A SABOTAGEM DA BURGUESIA PARASITÁRIA

“Em primeiro lugar, devemos confiar na força organizada das e dos trabalhadores e do povo. Lenin dizia: «Uma autêntica revolução se apoia na força organizada dos trabalhadores e do povo, para atacar a sabotagem burguesa. Desatar a força combativa e criadora do povo para romper o poder da burguesia e construir a nova organização do poder».”

“Em segundo lugar, para enfrentar o problema da especulação com o dólar, devemos dizer: nem um dólar a mais para a burguesia parasitária! E desenvolver o Monopólio Estatal das Importações, criando uma instância estatal que realize todas as importações de que necessita o país. E aquele que queira mercadorias, que as compre em bolívares”, precisou.

Quanto à especulação e ao sobrepreço, medidas que a burguesia desenvolve para apropriar-se das rendas dos trabalhadores, Héctor Rodríguez assinalou: “devemos impor o Controle Geral dos Preços de todos os bens. Unido a medidas de importações, podemos fixar os preços nos verdadeiros valores existentes”.

“Outra medida revolucionária que devemos aplicar é fazer uma verdadeira Reforma Tributária que elimine o regressivo Imposto sobre o Valor Agregado (IVA), pago pelos setores populares, e desenvolver uma elevação do progressivo Imposto sobre a Renda (ISLR), que devem pagar aqueles que ganham mais.

“Outra medida que está em debate, proposta por nosso Partido, é a urgente necessidade da Estatização dos Bancos, setor que mais enriqueceu nestes anos às custas do dinheiro dos venezuelanos”, destacou.

Finalmente, Héctor Rodríguez propôs a urgente necessidade de transferir o poder para as mãos dos trabalhadores e do povo organizado. “É o Poder Popular efetivo que se dirige a transformar a Base Econômica do país, tarefa essencial e que a juventude deve assumi-las com todas as suas forças. Não podemos aspirar grandes mudanças no qualitativo, se nos regermos sob a mesma e parasitária estrutura econômica do capitalismo”, enfatizou.

Para isto, precisou Rodríguez, “A juventude deve incentivar os projetos de industrialização do país e o desenvolvimento agrícola, determinando os territórios industriais estratégicos. Construir a Hegemonia da Propriedade Social sobre os meios de produção e desenvolver as novas relações de produção, onde as e os trabalhadores sejam os protagonistas”.

O dirigente conclamou todos os setores da juventude, as e os trabalhadores, os Conselhos Comunais, o campesinato, setores da cultura, técnicos, profissionais e intelectuais revolucionários a fazerem parte desta tarefa, que a Juventude Comunista discutirá em profundidade em seu Congresso nacional.

IMAGENS DO ATO DE ABERTURA DO XII CONGRESSO NACIONAL DA JCV

Fonte: http://prensapcv.wordpress.com/2013/09/20/imagenes-xii-congreso-jcv-el-sabotaje-burgues-se-derrota-con-medidas-revolucionarias/

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)