JCA de Goiás realiza seu primeiro acampamento estadual | Juventude Comunista Avançando

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

JCA de Goiás realiza seu primeiro acampamento estadual

Até 2008 era comum a JCA organizar a cada dois anos acampamentos nacionais, sempre nos anos pares, de forma intercalada com os encontros nacionais realizados nos anos ímpares. A partir da organização do primeiro Encontro Estadual da JCA de SC em 2010 estes acampamentos nacionais deixaram de ocorrer, prática que agora foi resgatada no estado de Goiás, onde realizou-se um acampamento estadual neste último final de semana.

Os acampamentos, além de servirem como espaço de experimentação de relações de camaradagem mais intensificadas, cumprem um papel político fundamental na medida em que são recheados por rodas de debates que envolvem a participação de mais de um núcleo de base da organização, além de debatedores convidados.

O acampamento da JCA de Goiás contou com quatro rodas de debates: a primeira versou sobre conjuntura internacional, nacional e estadual e revelou aspectos fundamentais da crise estrutural do capital e seus desdobramentos no âmbito da crescente agressividade do imperialismo por sobre os povos e segmentos sociais historicamente mais explorados. A partir disso foi possível traçar um panorama da atual situação nacional, em que esta ofensiva desesperada do capital em crise ataca direitos fundamentais do povo intensificando os processos de privatização e precarização do trabalho. Não obstante, o debate também revelou que, como já afirmava Prestes, o povo não se deixa matar de fome sem lutar, e que as jornadas de junho são uma expressão da crescente indignação popular diante de um cenário tão adverso. Particularmente com relação ao estado de Goiás, foi possível perceber como este cenário tem se manifestado na intensificação do conservadorismo modernizado através do galopante avanço do agronegócio, expressão moderna do latifúndio, que vem dia após dia se reafirmando em um estado marcado historicamente pela presença da grande propriedade e pelo coronelismo. Por outro lado, Goiás foi um dos estados protagonistas nas jornadas de junho, que ali começaram já em maio.

A segunda roda de debates tratou do tema da educação e da universidade. Nesta roda foi possível constatar a condição que está colocada para os estudantes secundaristas e universitários, com especial foco no caso goiano. Os desafios do movimento estudantil secundaristas foram abordados com grande maturidade pelos militantes da JCA que estão construindo este movimento cotidianamente no estado, com ênfase sobre o movimento dos estudantes dos Institutos Federais (IFs), espaço onde a JCA tem atuado e que contém a particularidade de estar muito próximo ao mundo do trabalho. O mesmo se deu com o movimento universitário, onde o desafio é intensificar a organização estudantil de baixo para cima, ou seja, a partir das bases (Centros Acadêmicos, etc.) mas não distante de um projeto global para a transformação da universidade em um sentido socialista, nas perspectiva de uma universidade popular. Para tanto, afastar-se dos vícios imediatistas enraizados no ME universitário é uma tarefa difícil, porém necessária.

A terceira roda abordou a necessidade da organização comunista, sobretudo no âmbito da juventude, onde ela deve servir atualmente como "escola de quadros", favorecendo o exercício daquilo que Lenin afirmava como sendo a principal tarefa do jovem comunista: aprender. Nesta roda foi avaliado o caráter da JCA, seus princípios e sua forma de organização interna, bem como foi feito um balanço da organização no estado de Goiás, onde os núcleos de base constituídos ainda passam por um processo de amadurecimento, tendo em vista que sua criação foi recente.

Ainda numa última reunião avaliou-se o acampamento em si, seu processo de construção e seu impacto no necessário salto qualitativo que a JCA deve dar no estado de Goiás no próximo período. Uma direção estadual provisória foi eleita para contribuir com esta tarefa e conferir maior organicidade aos núcleos que hoje se organizam em diferentes cidades do estado. Avaliou-se que politicamente o acampamento foi um sucesso, tendo ficado como principal tarefa orgânica para os próximos meses a construção do sétimo Encontro Nacional da JCA que está marcado para novembro deste ano.

A JCA agradece enormemente a todos os que contribuíram com a realização deste acampamento, e se preparada para mais um período de intensas lutas ao lado da juventude trabalhadora (ou identificada com a classe proletária) goiana e brasileira.

Imprensa JCA