Protestos na Venezuela: web é usada para difundir imagens falsas ou descontextualizadas | Juventude Comunista Avançando

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Protestos na Venezuela: web é usada para difundir imagens falsas ou descontextualizadas

A partir da internet, saber o que de fato acontece nas ruas da capital e de outras cidades do país é impossível

18/02/2014
Marina Terra,

Em abril de 2002, a atuação dos principais veículos de comunicação privados na Venezuela foi decisiva para a derrubada – apesar de breve – de Hugo Chávez. Conforme depois o documentário A revolução não será televisionada demonstrou, a manipulação de imagens e informação armou o cenário e legitimou o golpe de Estado contra o presidente venezuelano, dentro e fora do país.

Agora, em 2014, as recentes manifestações contra Nicolás Maduro, eleito após a morte de Chávez, ano passado, também teriam sido manipuladas não somente por televisões e jornais, de acordo com denúncias do atual governo, mas igualmente na web – espaço que há 12 anos não tinha o mesmo potencial informativo e político.

Na Venezuela, as redes sociais, com destaque para o Twitter, são amplamente usadas por ambos os lados, tanto que o próprio presidente e políticos da oposição o usam para fazer anúncios e se comunicar com seus seguidores. Desde quarta-feira (12/02), quando uma marcha opositora culminou em violência no centro de Caracas, diversas montagens e imagens falsas contra Maduro e o governo foram disseminadas, inclusive por jornalistas de redes como a CNN.

A partir da internet, saber o que de fato acontecia nas ruas da capital e de outras cidades do país foi impossível. No entanto, logo, a origem real de algumas imagens que eram compartilhadas, mostrando repressão policial e demonstrações multitudinais de apoio à oposição, foram reveladas. Fotos de protestos no Chile, Egito, Tailândia e até Brasil foram usadas "como prova" de que a polícia venezuelana reprimia violentamente, enquanto imagens de atos pró-independência da Catalunha foram apresentadas como marchas oposicionistas em Caracas.

Veja alguns exemplos encontrados no Twitter:

Tida como venezuelana, a imagem abaixo foi feita em junho de 2013, no Brasil:

Nesta foto, guardas usando um felpudo chapéu de inverno na Caracas caribenha?

"Eu e você somos venezuelanos, amigo". Mas a frase deveria ter sido escrita em búlgaro:

Era pra ser da repressão na Venezuela, mas o site da Al Jazeera comprova a origem da imagem:

Uma procissão religiosa foi retratada como protesto contra o governo: