Forças armadas paraguaias em alerta diante de chamado à greve geral | Juventude Comunista Avançando

segunda-feira, 17 de março de 2014

Forças armadas paraguaias em alerta diante de chamado à greve geral

Assunção, 17 mar (Prensa Latina) O governo paraguaio colocou as Forças Armadas em estado de alerta operacional diante do chamado de sindicatos, organizações sociais e partidos de esquerda à uma greve geral no dia 26 de março, que será precedida de mobilizações nos dias 24 e 25.De acordo com um anúncio oficial, a medida foi adotada pelo presidente da República, Horacio Cartes, às instâncias dos altos comandos militares pela existência de relatórios sobre possíveis distúrbios organizados para essas datas.

A disposição foi divulgada no final de uma reunião do presidente com os comandantes das diferentes armas e em um momento que crescem as adesões de entidades sindicais e sociais às jornadas de protesto contra as políticas econômica e social do atual Executivo.

Além de numerosos sindicatos nacionais, regionais e de centros de trabalho independentes, as marchas durante os dias de mobilizações e a participação final na greve nacional, receberam o apoio dos grupos camponeses, que reclamam por reforma agrária e o fim da repressão no campo.

Enquanto isso, a proposta pública feita por Cartes de se reunir com todos os partidos de oposição e lhes apresentar os futuros planos de governo, pareceu condenado ao fracasso depois que o Partido Liberal, através de seu presidente, Miguel Abdón Saguier, recusou o convite.

A recusa dos liberais, até agora firmante de um pacto com o governante Partido Colorado, esteve precedida pela total rejeição por parte da Frente Guasú, principal grupo da esquerda, de participar de tal diálogo.

Saguier foi especialmente duro contra Cartes e durante um programa de televisão deixou entrever que o presidente poderia ser objeto de um julgamento político no Congresso por agravos à institucionalidade do país, perseguição aos trabalhadores pertencentes à oposição e violação das leis.

Sem a participação dos liberais e da esquerda, segunda e terceira forças políticas do país, respectivamente, o governo ficará como solitário no evento convocado por Cartes.

tgj/jrr/cc
Modificado el ( lunes, 17 de marzo de 2014 )