Saúdam regresso do antiterrorista Fernando González à Cuba | Juventude Comunista Avançando

quinta-feira, 6 de março de 2014

Saúdam regresso do antiterrorista Fernando González à Cuba

Havana, 5 mar (Prensa Latina) O historiador estadunidense James Cockcroft saudou a saída da prisão de Fernando González, com o qual afirmou que começa uma etapa decisiva para o regresso a seu país dos antiterroristas cubanos ainda encarceirados nos Estados Unidos.Acho que durante este ano podemos criar um "turning point" (momento decisivo) na campanha por sua libertação se aceleramos nossas ações locais e internacionais, advertiu Cockcroft, que reside na cidade canadense de Montreal, em declarações à Prensa Latina via correio eletrônico.

Listou entre os eventos mais importantes a Comissão Internacional de Investigação a realizar-se em Londres na sexta-feira e sábado próximos e a terceira jornada Cinco dias pelos Cinco em Washington DC, de 4 a 11 de junho.

Ademais, o III Encontro Mundial de Solidariedade com Cuba em Havana de 27 ao 31 de outubro "Onde queremos ver, entre as centenas de participantes os nossos Cinco!", assinalou o autor a mais de 40 livros sobre América Latina, os Estados Unidos e assuntos internacionais.

Ao referir-se ao regresso de González, segundo do grupo dos Cinco a cumprir integralmente sua sentença, Cockcroft confessou ter chorado de alegria ao vê-lo em braços de Rosa Aurora Freijanes, sua esposa, de Magali Llort, sua mãe "e de todos os familiares dos nossos Cinco, do presidente Raúl (Castro), do povo cubano".

Destacou a dignidade do Herói cubano (título honorário que também têm seus colegas) e assegurou que de imediato pensou nos ainda encarcerados Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero. A presença deles três em Cuba deve ser conseguida já, enfatizou Cockcroft.

Os Cinco -disse- são heróis não somente de Cuba também da humanidade. Simbolizam as lutas populares em todas partes do mundo e representam os valores da justiça, a paz e a solidariedade humana.

Para o catedrático, Obama deve devolver estes cubanos a seu país "sem condicionamento algum" e pediu que cesse "a proteção do governo estadunidense ao autoconfesso terrorista Luis Posada Carriles (residente em Miami).

Cockcroft insistiu na extradição de Posada Carriles à Venezuela, onde é reclamado pela justiça pela explosão de um avião civil cubano em 1976, ato pelo qual pereceram as 73 pessoas que viajavam a bordo.

jf/dfm/cc
Modificado el ( miércoles, 05 de marzo de 2014 )