Libertem Omar Saad! | Juventude Comunista Avançando

terça-feira, 13 de maio de 2014

Libertem Omar Saad!

Liberdade a todos “subversivos*”!


Para a maioria dos jovens israelenses, o serviço militar é obrigatório aos 18 anos. Cerca de 20% dos cidadãos de Israel são Árabes, e a maioria da juventude Árabe de Israel é liberada do serviço militar. Mas para aqueles jovens Árabes que pertencem à comunidade Druze, o serviço militar é obrigatório.

Nosso camarada – Omar Saad, jovem músico de 18 anos – está preso desde dezembro em uma prisão militar por se recusar a se alistar no exército de Israel e, assim, lutar contra seu próprio povo. Sua justificativa de recusa baseia-se no fato de que a comunidade de Druze faz parte da comunidade árabe-palestina de fronteira, dentro do estado de Israel, contrário a política do governo israelense de dividir para conquistar.

Na última semana, Saad começou a sentir-se doente e com dor, mas as autoridades da prisão militar se negaram a atender seu pedido de consultar-se com um médico. Depois de três dias de angústia, foi levado às pressas para o hospital em Haifa, onde foi diagnosticado com uma severa infecção no fígado, que pode ter sido causada pelas condições da prisão. O jornal de “Haaretz” reportou o caso, afirmando que as autoridades da prisão militar foram negligentes e incompetentes. Saad continua hospitalizado.

A Liga de Jovens Comunistas de Israel realizou manifestações em frente ao hospital, reivindicando a libertação imediata de nosso camarada e esperando pela apuração dos militares responsáveis pelo deterioramento de sua saúde. Omar Saad e sua família afirmam que a ação dos militares possuem motivações políticas, e são destinadas a acabar com seu espírito. “Estou determinado a resistir, me recuso a servir em uma força de ocupação”, diz Saad.

A Liga de Jovens Comunistas de Israel encoraja as juventudes progressistas e organizações em prol da paz no mundo todo a organizar eventos em solidariedade a Omar Saad, reivindicando para que o exército de Israel liberte-o imediatamente, assim como todos os jovens subversivos (chamados pejorativamente de “refuseniks**”), sejam eles judeus ou árabes, que atualmente encontram-se encarcerados.

A Liga de Jovens Comunistas de Israel reitera sua posição contra a ocupação da Palestina pelo Estado de Israel e pela realização de uma paz justa e duradoura entre Israel e seus vizinhos. Tal paz será baseada na criação de um Estado Palestino independente ao lado de Israel, tendo como fronteira a linha verde de 4 de junho de 1967 e tendo Jerusalém Oriental como sua capital; desmantelar todos os assentamentos israelenses e pela quebra do muro de separação; libertação de todos prisioneiros palestinos mantidos dentro de prisões israelenses; resolver o problema dos refugiados palestinos de acordo com as resoluções da ONU; retirada completa da ocupação israelense dos Montes Golan; retirada total das forças de Israel das fazendas libanesas ocupadas de Shebaa; e alcançar um Oriente Médio livre de armas nucleares e outras armas de destruição em massa, com base na NPT Internacional.

Cartas de protesto podem ser enviadas ao Ministro da Defesa, no endereço abaixo:

Mr. Moshe Ya'alon,
Minister of Defence,
Ministry of Defence, Hakirya,
Tel-Aviv 61909, Israel.
E-mail: sar@mod.gov.il or: pniot@mod.gov.il
Tel: +972-3-6975220
Fax: +972-3-6962757

Também seria muito importante que fossem enviadas apelações ao comandante em Tel-Hashomer. Esse é o oficial que decide quando um “subversivo” será excluído do serviço militar ou será enviado a mais um tempo na prisão.

Gil Ben Shaul,
Commander of Induction Base,
Meitav, Tel-Hashomer
Military Postal Code 02718, IDF
Israel.
Fax: +972-3-737-60-52

Cartas de apoio a Omar Saad, assim como mensagens de solidariedade ou fotos de protestos, podem ser enviadas para ycl.israel@gmail.com

Libertem Omar Saad!
Liberdade a todos os “subversivos”
Fim a ocupação!

* que faz uma objeção de consciência ao serviço militar

** Modo pejorativo de chamar alguém que se recusa a servir. Termo que vem da união soviética, dos judeus que não obtiveram permissão para emigrar para israel. Tal judeu era refutado – refusenik. Com o tempo o termo tornou-se coloquial para alguém que se recusa a fazer algo, especialmente se for em protesto.

Tradução: JCA