O Brasil ferve com as lutas pela Tarifa Zero! | Juventude Comunista Avançando

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O Brasil ferve com as lutas pela Tarifa Zero!

O ano de 2015 começou e começou com mobilizações sociais e lutas em muitas cidades brasileiras. Vivemos uma nova conjuntura no país, em junho de 2013 um osso atravessado na garganta de muitos brasileiros e brasileiras foi cuspido pra fora. E a partir daí se pode cantar, quem esteve nas ruas pode expressar sua justa indignação. Neste janeiro o que temos novamente como manifestação de luta concreta nas cidades são os movimentos de luta pela redução da tarifa do transporte coletivo urbano. Sim, o estopim de junho de 2013 parece que buscou fôlego, se rearticulou em cada grande cidade e tenta com mais estudo, força e consciência mergulhar na luta por uma vida sem catracas. Trazendo os problemas – o caos urbano é rotina em muitas cidades – traz também o debate sobre mobilidade urbana e propostas para resolver tudo isso em favor do povo trabalhador.

Barrar o aumento das passagens sempre foi questão para blocos e frentes de luta pelo transporte público e para o Movimento Passe Livre. Os empresários do transporte, junto às prefeituras e governos, usam e abusam de uma manobra já velha conhecida do usuário do transporte público – aumentar a tarifa no período das férias de verão – Os Instrumentos de luta estão de pé e rearticulados para novos enfrentamentos com o poder público estatal, e para isso trabalhadores e estudantes usuários do transporte coletivo buscaram mais que barrar aumento. Já é mais consciente o movimento que luta com proposta efetiva para convencer a população de que pode existir a Tarifa Zero como direito de ir e vir nas cidades do país. Os governantes fingem não compreender que o movimento é sim ousado, e reivindica passa livre para todos. Em muitas cidades o passe livre é para apenas alguns setores da sociedade, enquanto para muitos a passagem é cobrada com seu preço abusivo. Hoje a luta nacional é contra a tarifa!

Nesse contexto regado a mobilizações que já aconteceram e àquelas que virão num futuro próximo – como no dia 23/01/2015 – a JCA tem formulado política para incrementar a luta por uma vida sem catracas. No último encontro nacional, construímos a tese sobre transporte coletivo urbano como luta social inserida nos movimentos populares que lutam por uma reforma urbana como meio fundamental para efetivação do direito à cidade:
      
O 7°ENJCA avança na compreensão de que o direito à cidade – em última instância, o direito à vida urbana – deve servir como estratégia na luta pelo transporte público, pois este é uma ferramenta e meio fundamental para que se alcance aquele direito. Atualmente, a despesa mensal com transporte público gira em torno de 8% do rendimento das famílias de mais baixa renda. Esta é a fração da sociedade que mais gasta com transporte coletivo. É na perspectiva da ocupação dos espaços da cidade pela classe trabalhadora, fazendo com que a cidade perca seu caráter de valor de troca e de mercadoria, passando a ser apropriada enquanto valor de uso, que efetivaremos o direito à cidade.
Defendemos, então o transporte público como direito social a ser assegurado pelo Estado e com controle popular. Além disso, o 7° ENJCA reafirma a luta pela redução gradual da tarifa em todos os municípios com vista à extinção da tarifa como forma de financiamento do transporte público, o que nos aproxima da campanha pela “Tarifa Zero”.
Outro avanço do último encontro se dá na perspectiva de defesa da criação de um Sistema Nacional de Transporte Público – assim como existe o Sistema Único de Saúde (SUS) – com o objetivo de tornar o transporte público uma política de Estado gerida pelas três esferas do Poder Público e com controle popular efetivo.

Grandes capitais brasileiras como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre e Florianópolis já aumentaram a tarifa ou já se planeja o aumento no próximo mês. Em Floripa o aumento foi de 35 centavos e hoje a passagem custa 3,10 em dinheiro. Em São Paulo o aumento foi de 50 centavos, atingindo o inaceitável valor de R$3,50. Outras cidades Brasil a fora também sofrem com a tarifa.

Em TODO BRASIL a quadrilha dos prefeitos, seguindo os ditames da quadrilha dos empresários do transporte, se organizou para extorquir o povo. Os aumentos representam ataques contra a população, que já é excluída: atualmente 37 milhões de pessoas (e essa cifra só aumenta) andam somente a pé. A cada centavo de aumento, mais pessoas são excluídas! A própria existência de tarifas é uma decisão de colocar o custeio desse direito sobre os usuários e a população trabalhadora, principalmente a mais pobre. 

Algumas cidades começaram a organizar atos e protestos já há algumas semanas, mas a luta é árdua e continua, precisa que todos participem com cada vez mais força! Por isso, segue abaixo um breve calendário de alguns atos e mobilizações que acontecerão pelo Brasil:

29/01 – Quinta-feira

6º Grande Ato em São Paulo – Concentração no Vão do MASP
4º Grande Ato em Florianópolis – Concentração no TICEN
Ato em Joinville – Concentração na Praça da Bandeira
3º Grande Ato em Niterói – Concentração nas Barcas

30/01 – Sexta-Feira

5º Grande Ato no Rio de Janeiro – Concentração na Candelária
2º Grande Ato em Brasília – Concentração na Praça do Relógio

28/01 – Quarta-Feira

3º Grande Ato em Guarulhos – O Enterro da Tarifa – Concentração na Igreja Matriz
EnsaiATO em Belo Horizonte – Concentração na Avenida Brasil, 41

5/02 – Quinta-Feira

Grande Ato em Porto Alegre – Concentração na Prefeitura



O que posso fazer?

Organize sua indignação, mobilize sua família, seus amigos, seu bairro, seus colegas de trabalho, pinte faixas e cartazes contra o aumento e o principal: VEM PRA LUTA!

"Vamo virar a cidade do avesso
Toda vez que aumentarem o preço!
Agora vai ser do nosso jeito
O povo se cansou de tanta falta de respeito!"